• (35) 3715-5431
  • Poços de Caldas / MG

Conheça os 5 países que mais utilizam a energia solar

Conheça os 5 países que mais utilizam a energia solar

                A produção de energia elétrica a partir de fontes renováveis tem crescido e vem sendo adotada em todo o mundo, pois, essas fontes garantem a preservação do meio ambiente, a qualidade de vida das próximas gerações por serem disponíveis, acessíveis, abundantes e inesgotáveis e, além disso, poluem muito menos quando comparadas à energia proveniente de combustíveis fósseis, responsáveis pela emissão de gases do efeito estufa na atmosfera.

                Com o barateamento do sistema de geração solar nos últimos anos e a expansão da tecnologia, a energia fotovoltaica cresce a cada ano e já é, em alguns países, a forma mais barata de geração elétrica, superando até mesmo combustíveis fósseis. Segundo o estudo mais recente da Agência Internacional de Energias Renováveis (International Renewable Energy Agency ou IRENA, na sigla em inglês), a potência instalada mundial de energia solar fotovoltaica alcançou a marca de 480.357 megawatts de potência ao final de 2018. Veja, a seguir, o ranking com os países que mais usam energia solar e algumas curiosidades sobre eles.

 

China

                A China, maior poluidor do mundo, grande emissor de gases poluentes, vem investindo intensamente em produção de energia renovável sendo hoje, o maior investidor do mundo no setor de energias limpas. O total de energia solar gerada pela China é de 175.018 MW, valor correspondente a 36,5% da produção solar global. O investimento em energias renováveis se deve principalmente à crise de poluição atmosférica no país.

                A agência reguladora de energia do país, também lançou novas medidas para reduzir a dependência em relação ao carvão e informou o fim do planejamento da construção de 85 usinas dessa fonte altamente poluentes e não-renovável. No início de 2017 anunciou o investimento de US$ 360 bilhões em energia alternativa, até o ano de 2020.

Japão

                Após o desastre nuclear em Fukushima, o Japão aumentou seu investimento em energias renováveis. O país é o segundo no ranking em potência solar instalada com 55.500 MW, valor que corresponde a 11,5% da potência instalada no mundo. A expansão da energia solar no país é tão grande que já existe uma cidade toda com energia solar fotovoltaica (Fujisawa Sustainable Smart Town).

                Além disso, o Ministério do Meio Ambiente do Japão implantou metas ambiciosas que vão aumentar ainda mais o uso de energias renováveis. Com o objetivo de produção de energia de fontes de baixa emissão de carbono, o governo pretende que, em 2050, o país tenha sua capacidade de produção de energia elétrica 90% proveniente de fontes limas e renováveis.

 

Estados Unidos

                Os Estados Unidos já ocuparam a primeira posição entre os maiores líderes em capacidade instalada de energias renováveis provenientes de fontes solares. Atualmente, em terceiro no ranking, os EUA tem uma capacidade instalada de 49.692 MW de energia solar, sendo responsável por 10,4% da potência instalada no mundo.

                Dos 44,1 bilhões de dólares investidos em fontes renováveis de energia, em 2015, mais de 30 bilhões foram empregados na energia solar, com ótimos resultados em relação ao número de empregos no setor, principalmente por conta da demanda por instalação dos sistemas fotovoltaicos.

Alemanha

                Quarto em potência instalada em plantas de energia solar fotovoltaica, a Alemanha, com 45.930 MW, ou seja, 9,5% da potência instalada no mundo. Assim como o Japão, o país passa por uma fase de transição, a chamada Energiewende, que consiste é a transição profunda em sua matriz elétrica, abandonando fontes fósseis e colocando todas as forças nas energias renováveis.

                O principal alvo da Energiewende é a energia nuclear. Há um sentimento antinuclear muito forte na sociedade alemã, e, com o acidente no reator nuclear de Fukushima, foi o estopim para sua transição, e, em menos de seis meses, o governo alemão conseguiu colocar em lei a Energiewende com uma estratégia extensa e compreensiva para encerrar a operação das nucleares, substituindo-as por energia renovável.

                Para isso, o governo alemão oferece tarifas subsidiadas para energia limpa. Regulamentou o setor para que pequenas empresas e cooperativas familiares que queiram vender energia elétrica tenham acesso à rede pública e determinou que as alternativas energéticas de fontes renováveis têm preferência no uso da rede.

India

                A Índia é hoje um exemplo na transição da geração elétrica em direção as fontes limpas. Dependente do carvão, o país que tinha como objetivo diversificar sua matriz energética e atingir a marca de 20 GW de potência instalados até 2020, já conseguiu cumprir a meta e agora, tem como objetivo chegar, até 2030, aos 100 GW da fonte.

                No total, a Índia já conta com 26.869 MW de capacidade fotovoltaica instalada, correspondendo a 5,5% da produção mundial, e, na medida em que a sua economia prospera e, consequentemente, sua demanda elétrica aumenta, a solar e outras renováveis vão aumentando a sua participação na matriz energética do país.

                A utilização da energia solar, contribui para o barateamento da tecnologia e consequentemente, gera bons resultados para os consumidores. O mercado fotovoltaico está em grande expansão e o crescimento do setor deve continuar. Já não se pode mais falar em geração de energia sem o foco nas fontes limpas e renováveis, pois são o futuro do planeta.