COVID-19 pode provocar aumento na tarifa de energia



Os custos com energia elétrica podem subir consideravelmente, afetando todos os setores.

A Medida Provisória 950/20, publicada no dia 8 de abril no Diário Oficial da União, aplica medidas temporárias emergenciais para o setor elétrico no enfrentamento da crise, e, isenta os consumidores baixa renda do pagamento da conta de energia. 

O financiamento, chamado na MP de Conta-Covid, deverá subsidiar custos e prejuízos decorrentes dos efeitos da pandemia no Brasil. O empréstimo é da distribuidora, mas, quem paga é o consumidor. A MP estabelece que os consumidores regulados e livres deverão custear, por meio de acréscimos na conta de energia, empréstimos bancários feitos pelas distribuidoras para aliviar o caixa afetado pela queda de consumo em consequência à pandemia.

O empréstimo destinado às distribuidoras de energia assemelha-se à antiga Conta-ACR, que entre 2014 e 2015 repassou empréstimos de R$ 21 bilhões, durante a última crise do setor elétrico, para cobrir empréstimos feitos pelas distribuidoras por causa da crise hidrológica. 

Na época, as distribuidoras receberam recursos para comprar energia cara no mercado de curto prazo e o pagamento foi repassado às tarifas dos consumidores logo em 2015, sendo quitada somente em setembro do ano passado, o que aumentou a conta de luz em 6% por ano durante o período.

Além do aumento na tarifa de energia, o isolamento social adotado como medida para conter a disseminação do novo coronavírus, tende ao aumento do consumo residencial de energia elétrica e  a redução de demanda no comércio e na indústria. Especialistas estimam que, dependendo do comportamento dos consumidores residenciais, o valor a ser pago poderá aumentar, em média, entre 10% e 20%.

Os custos com energia elétrica podem subir consideravelmente, afetando todos os setores. Neste cenário, investir na geração fotovoltaica - além de ser uma fonte de energia sustentável, limpa e renovável, é também, uma solução para aliviar os altos custos com energia elétrica. 

A economia proporcionada pela geração fotovoltaica de energia elétrica pode chegar em até 95% na fatura, sua economia é percebida já no primeiro mês de instalação, e, caso não consuma toda a energia gerada, o sistema passa a injetar o excedente na rede elétrica, gerando créditos que podem ser utilizados em até 5 anos. Com vida útil de 25 anos, não requer grandes intervenções no imóvel, sendo facilmente instalado sobre o telhado ou em qualquer estrutura de fixação, e ainda tem baixa manutenção.

Esteja preparado para os efeitos da crise, entre em contato conosco, peça seu orçamento gratuito e comece a produzir sua própria energia. Atendemos aos diferentes tipos de mercado: residencial, rural, comercial, industrial ou poder público. Siga nossas redes sociais e fique por dentro de todas as novidades. 

 

<Postagem Anterior
Próxima Postagem>